Studio-54-1978

O ano é 1977, a febre do momento é a dico music (fusão de pop tradicional, salsa, Black music, funk, soul e rock, marcadamente por seus arranjos elaborados e batidas fortes).

New York é agraciada com a discoteca STUDIO 54, inaugurada em 26 de abril de 1977.

O idealizador foi um garoto do Queens, Steve Rubell, junto com um amigo, Ian Schrager, e a promoter peruana Carmem D’Alessio.
O próprio Steve Rubell comandava o sucesso da noite, fcando à porta, em pé, sobre o hidrante na calçada, selecionando as pessoas que entravam a partir da produção pessoal de cada um, apenas os descolados, produzidos entravam.

Esse procedimento cuja ganhou o mundo e ainda é usado. Schrader era o produtor executivo, a promoter era responsável pela contratação dos go-go boys e bartenders, que atendiam a clientela com tudo o que fosse necessário.

Em 1998 é lançado o filme dirigido por Mark Christopher , sobre Studio 54. É estrelado por Ryan Phillippe , Salma Hayek , e Neve Campbell . Ele também é estrelado por Mike Myers como Steve Rubell , o co-fundador do clube.

No final do ano de 1977, entra nos cinemas o filme “Os embalos de sábado à noite”(dirigido por John Badham). Filas quilométricas à porta dos cinemas. A febre Disco é enraizada.

John Travolta em os Embalos de Sábado a Noite

 

Aprender os passinhos para dar um show no final de semana é uma questão de honra e resultante de muito treino. A trilha sonora explode no hit parade.

Todos querem dançar igual a Tony Manero. Nos bailes de formatura, os meninos se vestiam igual a ele, em cores variadas, mas seguindo o corte, dançavam igual a ele, claro, dentro da medida do possível. Era um grande barato! Bee Gees vira febre.

É notória a importância da década de 70, refletindo grande influência na moda, na música e nas transformações sociais.

Numa época em que os jovens resolveram reivindicar por seus direitos, suas opiniões se refletiram em outras áreas além da política. Muito disso pode ser visto no cenário musical, tanto nas bandas nacionais quanto internacionais.